Quais as implicações da recusa de realizar o bafômetro após um acidente de trânsito?

Com objetivo de diminuir os acidentes de trânsito ligados ao consumo de bebidas alcoólicas, surgiu a Lei 11.705/08 que alterou o Código de Trânsito Brasileiro, proibindo a combinação de condução de veículos automotores e a ingestão de álcool.

Visando realizar a fiscalização dos motoristas e certificar-se que os mesmos cumprem o estabelecido no ordenamento jurídico, as autoridades policiais utilizam o equipamento de bafômetro, ou etilômetro, para medir a quantidade de álcool no organismo do condutor. No entanto, devido à não obrigatoriedade do teste, muitos condutores não se submetem à medição.

Dito isso, ao recusar o teste, o condutor ainda poderá ser penalizado na forma da lei. Entretanto, é importante destacar que qualquer infração ao Código de Trânsito Brasileiro, é passível de recurso. Por mais que pareça impossível, em alguns casos o recurso pode ser aceito, desde que bem argumentado e com o apoio de um bom profissional especializado em direito do trânsito.

Dessa forma, sabendo das diversas dúvidas que surgem sobre o assunto, elaboramos este artigo a fim de esclarecer alguns pontos importantes

Acompanhe.

O que diz a lei sobre o bafômetro?

Em seu artigo 165, do Código de Trânsito Brasileiro, a lei é firme no sentido de que não é permitido nenhum nível de concentração de álcool no organismo do condutor, confira:

Art. 165.  Dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência: 

Infração – gravíssima

No entanto, é preciso mencionar que os aparelhos de bafômetro ou etilômetro devem estar devidamente calibrados. Por conta disso, o INMETRO estabeleceu uma margem de erro para esses aparelhos, ou seja, nem sempre eles poderão fornecer um resultado exato.

Com isso, ficou definido que o teste do bafômetro poderá atingir, no momento da medição, no máximo 0,05 mg/L.

Diante disso, muitos condutores que consumiram pouca bebida alcoólica acreditam que aguardar um pouco será o suficiente para o efeito da bebida sair do organismo. Mas sabemos que nem sempre o resultado será o esperado e frente a esse fato alguns motoristas se recusam a realizar o teste.

A questão é que deixar de realizar o teste não livra o indivíduo das penalidades da lei e será isso que iremos acompanhar no tópico seguinte.

As implicações em caso de recusa

Inicialmente, é indispensável relembrar que apenas o fato de dirigir sobre a influência de álcool ou de qualquer substância psicoativa, já configura infração gravíssima e penalidades como:

  • Multa pecuniária multiplicada por 10, resultando em quase 3 mil reais;
  • Suspensão do direito de dirigir por 12 meses;
  • Retenção do veículo;
  • Recolhimento da CNH;
  • Em caso de reincidência no período inferior a 12 meses, o valor da multa será o dobro.

E se o condutor se recusar a realizar bafômetro?

Nesse caso, a lei estabelece em seu artigo 165-A, do Código de Trânsito Brasileiro:

Art. 165-A.  Recusar-se a ser submetido a teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa, na forma estabelecida pelo art. 277: 

Infração – gravíssima;

Penalidade – multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses;

Medida administrativa – recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no § 4º do art. 270.      

Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses  

Nota-se que as punições do artigo 165-A, em caso de recusa de realização do teste de bafômetro ou clínico, resultam nas mesmas penalidades do artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro. Logo, a recusa pela medição não irá livrar o condutor das penalidades da lei.

Diante do exposto, devemos lembrar ainda, sobre os casos de acidente de trânsito que envolvem vítimas e o consumo de bebidas alcoólicas. Nessas situações, havendo vítimas fatais e o condutor causador do acidente tiver sob a influência de substâncias psicoativas ou álcool, deverá responder pelos seus atos conforme determina o artigo 302, §3º, do Código de Trânsito Brasileiro:

Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de veículo automotor:

§ 3o  Se o agente conduz veículo automotor sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência:

Penas – reclusão, de cinco a oito anos, e suspensão ou proibição do direito de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. 

No caso de não haver vítimas fatais, mas com ferimentos, o condutor sob efeitos do álcool ou substâncias psicoativas causador do acidente de trânsito, responderá conforme o artigo 303, do Código de Trânsito Brasileiro:

Art. 303. Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo automotor:

Penas – detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

Por fim, em caso de fuga do local do acidente de trânsito, na tentativa de evitar o teste do bafômetro, o condutor que se evadiu responderá pelo artigo 304 do mesmo código:

Art. 304. Deixar o condutor do veículo, na ocasião do acidente, de prestar imediato socorro à vítima, ou, não podendo fazê-lo diretamente, por justa causa, deixar de solicitar auxílio da autoridade pública:

Penas – detenção, de seis meses a um ano, ou multa, se o fato não constituir elemento de crime mais grave.

Parágrafo único. Incide nas penas previstas neste artigo o condutor do veículo, ainda que a sua omissão seja suprida por terceiros ou que se trate de vítima com morte instantânea ou com ferimentos leves.

No parágrafo único é importante destacar que mesmo que a omissão do condutor seja suprida pela ajuda de terceiros à vítima, ou que ela venha a óbito, isso não irá eximir o motorista causador de suas responsabilidades perante os atos praticados.

O Dr. Henrique Lima se dedica de forma constante às demandas desse mercado, com a finalidade de garantir uma assessoria de nível elevado e segurança jurídica.

Ainda ficou com alguma dúvida?

Envie para nossa equipe por meio do formulário abaixo ou busque auxílio de um Advogado Especialista em Acidente de Trânsito.

6 pessoas leram esse artigo

Vamos conversar sobre esse assunto?

Preencha o formulário para que eu ou alguém de minha equipe possa entrar em contato com você.

    Exames, atestados, apólice, etc. e tudo que você acredita que possa me ajudar entender seu caso

    Fale comigo por E-mail ou