A equiparação de função é um importante assunto na legislação trabalhista, garantindo que trabalhadores que exerçam a mesma função em uma empresa tenham direito ao mesmo salário.

É por conta dessa questão que as empresas também enfrentam ações judiciais trabalhistas, tendo em vista que muitas empresas não cumprem com a regra. 

Por conta disso, a legislação visa equilibrar o ambiente de trabalho tornando-o mais justo e igualitário, evitando as discrepâncias entre trabalhadores que executam uma mesma atividade.

Sabendo que existem muitas dúvidas sobre o assunto, neste artigo você vai conferir as principais informações sobre a equiparação de função em vistas a equiparação salarial.

Quais os requisitos da equiparação salarial?


De acordo com o previsto no artigo 461 da CLT, para que a equiparação salarial seja solicitada, é preciso cumprir alguns requisitos, são eles:

  1. Funções de caráter idêntico – ao passar por um processo de equiparação salarial, é preciso fazer uma comparação entre paradigma (profissional em que a ação é baseada) e o equiparado (profissional que solicita a equiparação). Esses funcionários precisam exercer a mesma função, destacando aqui que cargos diferentes não são um impeditivo para esse requisito;
  2. Trabalho de igual valor – Esse requisito é importante, afinal, ambos os profissionais devem exercer um trabalho de igual valor. Ou seja, serviços executados com a mesma qualidade técnica e nível de produtividade;
  3. Mesmo empregador – O empregador precisa ser o mesmo para ambos os profissionais, tanto o paradigma quanto o equiparado. Logo, não há como equiparar com um funcionário de empresa terceirizada;
  4. Mesmo estabelecimento – Ambos os profissionais devem trabalhar no mesmo estabelecimento. 
  5. Diferença de tempo de serviço – Sobre a diferença de tempo de serviço, há duas questões que precisam ser observadas. A diferença entre os profissionais não pode ser superior a 4 anos de empresa. Sobre o tempo de função de cada funcionário, o paradigma não pode estar executando as ditas atividades por um período maior que 2 anos;
  6. Plano de carreira da empresa – Se a empresa possuir uma regulamentação própria, as condições para a equiparação salarial são consideradas conforme essa regulamentação de plano de carreira;
  7. Paradigmas contemporâneos – Os funcionários comparados precisam necessariamente ser contemporâneos, não pode ser com um profissional que não atua mais.
  8. Discriminação – São casos de diferença salarial por conta de discriminação de sexo, nacionalidade, idade e agora também etnia.

Exemplo prático em que não é possível equiparação de função

O Tribunal Regional do Trabalho, em aplicação do artigo 818 da CLT e a Súmula 6, item VIII, do Tribunal Superior do Trabalho, negou provimento ao recurso de uma trabalhadora que pretendia obter equiparação de função. 

De acordo com o relator do processo, a trabalhadora deixou de comprovar a identidade de funções com o posto de trabalho paradigma por seu direito.

A trabalhadora pediu à Justiça do Trabalho o reconhecimento da equiparação salarial em relação a um posto de trabalho superior. Ela atuava como repositora de mercadoria e esperava ser reconhecida como promotora de vendas de uma multinacional. O pedido foi negado e ela recorreu ao tribunal.

Em recurso, a defesa ponderou ser ônus da empresa demonstrar a ocorrência dos paradigmas e das análises de requisitos para a promoção para o cargo. Ressaltou também, que o conjunto de provas testemunhais confirma a identidade de funções entre o repositor e o promotor, que atendem o mesmo porte de estabelecimento, a mesma quantidade de produtos e exposição de mercadorias.

Todavia, o relator, ao examinar o recurso, observou que a funcionária declarou que suas atividades basicamente eram a reposição de mercadorias em gôndolas. Além disso, salientou que as provas testemunhais distinguiram as atividades realizadas por um promotor de vendas e um repositor.

O relator salientou, também, que uma testemunha disse que para a promoção da função de repositor para promotor havia uma avaliação anual realizada pela multinacional.

Desse modo, a análise dos depoimentos não deixa dúvidas de que a empregada exercia a função de repositora, o que afasta a pretensão de equiparação salarial com os paradigmas promotores. 

O Dr; Henrique Lima Advogado possui uma equipe multidisciplinar dedicada de forma constante às demandas desse mercado, com a finalidade de garantir uma assessoria de nível elevado e segurança jurídica.

Ainda ficou com alguma dúvida? Fale conosco, estaremos à disposição para orientá-lo e seguiremos compartilhando informações importantes.

10 pessoas leram esse artigo

Vamos conversar sobre esse assunto?

Preencha o formulário para que eu ou alguém de minha equipe possa entrar em contato com você.

    Exames, atestados, apólice, etc. e tudo que você acredita que possa me ajudar entender seu caso

    Ao preencher o formulário você concorda com os termos de nossa política de privacidade

    Fale comigo por E-mail ou