Como funciona e como conseguir dupla aposentadoria

Outra possibilidade bastante desconhecida pelos contribuintes, é a possibilidade da dupla-aposentadoria. 

Acontece que, mesmo com a reforma da previdência, ainda é possível receber duas aposentadorias simultaneamente. 

Entretanto, para a concessão deste benefício, é necessário que as aposentadorias sejam de regimes previdenciários diferentes. 

Neste conteúdo falaremos a respeito da dupla aposentadoria, como ela funciona, o que é e quem pode ter acesso a este benefício. Confira! 

No próximo tópico, iremos abordar os regimes previdenciários e qual a diferença entre eles. 

Regimes previdenciários

Existem três regimes previdenciários disponíveis atualmente, sendo que suas diferenças são os grupos de trabalhadores que abrangem, são eles:

Regime próprio da previdência social (RPPS)

O RPPS, é um regime de filiação obrigatória por parte dos servidores públicos que possuem cargos efetivos da União, dos estados, do Distrito Federal ou dos municípios;

Regime Geral da previdência social (RGPS)

O RGPS, por sua vez, é de filiação obrigatória para todos os trabalhadores regidos por CLT

Regime de Previdência Complementar (RPC)

E por último, o RPC, que se traduz como Regime Privado Complementar, que é de filiação facultativa e com o objetivo de complementar a renda oficial do trabalhador. 

Quem tem direito a dupla aposentadoria?

Por fim, o Art. 37 da Constituição Federal, prevê a possibilidade de que a pessoa receba, simultaneamente, duas aposentadorias, sendo que para essa possibilidade, é necessário que as aposentadorias sejam de regimes diferentes. 

Um exemplo bastante comum de contribuintes que possuem direito a dupla aposentadoria, são os profissionais de saúde, como médicos e dentistas, que exercem atividades na esfera pública e privada, simultaneamente. 

Dupla aposentadoria para quem trabalhou no exterior

A aposentadoria para quem se encontra ou trabalha no exterior, é um assunto mais detalhado, afinal, existem várias circunstâncias que precisam analisadas, como por exemplo, se a pessoa reside temporariamente, definitivamente, e ainda, se ela se encontra em país que possui acordo internacional previdenciário com o Brasil, de maneira Bilateral, ou Multilateral. 

Sendo assim, listamos abaixo quais são as situações e como elas funcionam, de maneira resumida, confira:

Pessoa que reside temporariamente em país que possui Acordo internacional previdenciário com o Brasil

A maioria dos casos de residência temporário no exterior, se dá por motivos de trabalho interno no Brasil, ou seja, funcionários que são transferidos para fora a fim de realizar suas demandas. 

Nesta hipótese, é o próprio empregador quem deve solicitar o Certificado de Deslocamento Temporário, também conhecido como CDT.

Esta certidão deverá ser solicitada diretamente na Agência de Previdência Social da cidade onde o trabalhador reside, ainda antes de sua transferência externa. 

Importante: O trabalhador deve portar a segunda via do CDT quando viajar efetivamente para o outro país. 

Caso o CDT expire, o trabalhador deverá solicitar a prorrogação deste certificado, diretamente no país estrangeiro. 

Trabalhador reside temporariamente em um país que não possui Acordo internacional previdenciário com o Brasil

Neste tipo de caso, o país estrangeiro irá solicitar para o trabalhador, uma contribuição obrigatória para a previdência interna. 

Esta contribuição funcionará de maneira análoga ao INSS. 

Independentemente se o contribuinte for autônomo, a contribuição continua sendo obrigatória e o trabalhador deverá continuar pagando o INSS regularmente. 

Residência permanentemente em país que possui Acordo internacional previdenciário com o  Brasil

Este é o caso mais simples, afinal, se o trabalhador se encontra residindo permanentemente em um país que possui acordo com o Brasil, ele deverá contribuir apenas com o sistema previdenciário estrangeiro. 

Entretanto, a maior vantagem desse método é que o tempo contribuído para o INSS será contabilizado para a aposentadoria, de acordo com o método de contagem da previdência no país em que se encontra. 

Por exemplo: Um trabalhador que contribuiu por 20 anos com a previdência brasileira, terá este tempo reduzido do tempo necessário para a aposentadoria do país em que se encontra. 

Residência permanentemente em um país que não possui Acordo internacional previdenciário com o Brasil

No caso de residência permanente em país que não possui acordo, o contribuinte deverá pagar regularmente o sistema previdenciário extrangeiro, assim como fazia com o INSS. 

Neste caso, a maior recomendação, para contribuintes que já possuem significativos anos de contribuição com a previdência brasileira, é que se tornem contribuintes facultativos da mesma, afinal, esta contribuição deixa de ser obrigatória. 

Entretanto, com a  dupla contribuição, quando o tempo for cumprido, o trabalhador terá direito a dupla aposentadoria, uma através do INSS e outra, através do país em que reside. 

Conclusão: 

Embora a contribuição previdenciária brasileira seja obrigatória, para os trabalhadores que residem definitivamente em país estrangeiro, esta contribuição é facultativa, porém, como já informamos, é interessante que o trabalhador continue a contribuir de maneira facultativa, a fim de conquistar a dupla-aposentadoria, uma pelo país natal e outra, pelo país de residência definitiva. 

Caso ainda existam dúvidas a respeito do assunto, entre em contato com um de nossos especialistas e informe-se sobre o tema. 

0 pessoas leram esse artigo
Sobre o Autor

Conheça o autor H. S. Lima e seus conteúdos de Filosofia e Fé

Vamos conversar sobre esse assunto?

Preencha o formulário para que eu ou alguém de minha equipe possa entrar em contato com você.

    Exames, atestados, apólice, etc. e tudo que você acredita que possa me ajudar entender seu caso

    Ao preencher o formulário você concorda com os termos de nossa política de privacidade

    Fale comigo por E-mail ou