Teshuvá – o verdadeiro arrependimento

“O remorso é uma impotência, ele voltará a cometer
o mesmo pecado. Apenas o arrependimento
é uma força que põe termo a tudo.”
(Honoré de Balzac)

Considerações gerais

Boa parte dos cristãos acredita que o ato de arrependimento por um pecado ou erro cometido se resume ao pedido de desculpas (ou perdão), ou nem isso. Alguns simplesmente tentam esquecer o ocorrido e “tocar a vida adiante”, como se nada tivesse acontecido.

Neste texto, pretendo discutir como o judaísmo aborda essa questão, possibilitando que o leitor avalie se está em sintonia com os ensinamentos passados por Cristo nos Evangelhos.

Mas, antes de adentrar especificamente no assunto, importa esclarecer que por “pecado” devemos entender o ato que contraria alguma lei ou comando de Deus. Por isso, é importante saber a qual regramento estamos sujeitos. 

De maneira muitíssimo simplificada, podemos considerar que, enquanto os judeus devem submissão à Torá, os cristãos devem obediência ao Evangelho de Cristo e os muçulmanos precisam cumprir os preceitos do Alcorão. Registro apenas que esse assunto é bastante complexo e controverso.

Saliento que existem “pecados” (atitudes que contrariam os mandamentos divinos) que, além de ofender o próprio Deus, ainda prejudicam nossos semelhantes, como é o caso, por exemplo, da maledicência. Também chamo a atenção para o fato de que as leis divinas são amplas e abrangem praticamente todas as áreas de nossas vidas, assim quase sempre uma ofensa ao próximo é também um pecado para com Deus.

Teshuvá

No judaísmo, existe farto ensinamento sobre como praticar o arrependimento ou teshuvá. Segundo o rabino Adin Even Yisrael, “numa definição ampla, teshuvá é mais do que apenas o arrependimento do pecado; é um novo des­pertar espiritual, um desejo de fortalecer a conexão entre si mesmo e o sagrado” (Teshuvá – Um guia para o judeu recém-praticante, p. 11).

Para se ter uma dimensão da grande importância da teshuvá [arrependimento], ensina-se que, se praticada ao lado da tefilá [orações] e da tsedacá [caridade], ela tem força para garantir à pessoa um lugar de mérito na ressurreição para a Vida Eterna.

O ensinamento dos rabinos é que para haver verdadeiro arrependimento são necessárias três coisas: 

Abandono do pecado

É fundamental para começar o processo de arrependimento. Pedir perdão enquanto se continua na mesma prática é inócuo e pode indicar uma provável hipocrisia.

Os rabinos afirmam que pedir perdão enquanto ainda se pratica o pecado é semelhante a mergulhar numa micvê (espécie de banheira usada ritualisticamente para purificação) segurando numa das mãos uma lagartixa (para eles, é pecado encostar num animal desses). Ou seja, a pessoa nunca se limpará de verdade enquanto não deixar de cometer aquilo que é considerado errado.

É certo que pode acontecer de a pessoa pedir perdão enquanto está verdadeiramente tentando abandonar o pecado. Nesse caso, apenas Deus, o justo Juiz, é quem julgará a sinceridade do coração.

O que sempre deve haver é a genuína intenção, com as correspondentes atitudes, de não mais cometer as práticas pecaminosas.

Reparação dos danos

É aqui que boa parte dos cristãos erra. 

Como relatei no começo, muitos acreditam que abandonar o pecado e, em alguns casos, confessar o erro, isto é, pedir desculpas ao ofendido, será suficiente. Há até aqueles que, para evitar constrangimento, nem chegam a pedir desculpas, apenas passam a agir como se nada tivessem feito de errado, esperando que o tempo apague as lembranças do que fizeram.

É evidente que pode acontecer de o único ofendido ter sido Deus e, nesse caso, ser suficiente a confissão somente a Ele. Entretanto, em muitas situações o ato prejudicou também algum semelhante e, por isso, não haverá arrependimento eficaz enquanto o mal não for reparado, na medida do possível.

Digo “na medida do possível”, porque às vezes a reparação é muito difícil ou quase impossível. 

CONTINUA…

Está gostando deste texto? Adquirindo o livro “Princípios para a Vida”, no link abaixo, você lê ele completo e ainda me incentiva a escrever cada vez mais.

5134 pessoas leram esse artigo
Sobre o autor

Henrique Lima

Sobre o autor

Henrique Lima

Henrique Lima é advogado atuante em defesas de servidores públicos civis e militares, de trabalhadores da iniciativa privada, de profissionais liberais, de associações, sindicatos e empresas em temas envolvendo direito administrativo, tributário, previdenciário (INSS e RPPS), do trabalho e do consumidor.

 

É mestre em direito pela Universidade de Girona – Espanha e pós-graduado (lato sensu) em direito constitucional, direito do trabalho, civil, consumidor e família. É sócio do escritório Lima & Pegolo Advogados Associados (www.limaepegolo.com.br) que possui unidades em Curitiba-PR, Campo Grande-MS, Cuiabá-MT, Rio Brilhante-MS, Dourados-MS e Aquidauana-MS, mas atende clientes em vários Estados brasileiros.

Saiba mais sobre o autor

Vamos conversar sobre esse assunto?

Preencha o formulário para que eu ou alguém de minha equipe possa entrar em contato com você.

    Exames, atestados, apólice, etc. e tudo que você acredita que possa me ajudar entender seu caso

    Ao preencher o formulário você concorda com os termos de nossa política de privacidade

    Fale comigo por E-mail ou