Provérbios para Executivos (5): ajude quem precisa

Sempre que puder, ajude os necessitados. (Pv. 3:27)

Na cultura judaica a prática de ajudar os necessitados é diferente da tradicional ideia de caridade, por não ser considerada uma opção e sim uma obrigação que denominam de tsedacá, fazendo parte dos 613 mandamentos que Deus entregou ao povo hebreu após a saída do Egito.

Ensinam os rabinos que a prosperidade do povo judeu se deve, em boa parte, à prática da tsedacá. Inclusive costuma ser estudada dentro de temas relacionados às finanças.

O socorro aos necessitados tem o poder de atrair prosperidade por estar alicerçado no princípio da medida por medida, que denominam midá kenégued midá, segundo o qual os céus se movem em nosso favor na mesma forma e medida que agimos com nossos semelhantes. Nesse sentido, quem é generoso em ajudar financeiramente os pobres, receberá dos céus proporcional generosidade financeira, pois a medida usada para nos abençoar é estabelecida por nós. Portanto, se formos muito criteriosos e resistentes em socorrer quem precisa, o mesmo nível de exigência nos será cobrado.

A prática da tsedacá implica em destinar entre 10 e 20% de nossas rendas para ajudar quem passa por necessidades. Não se confunde com o dízimo entregue às igrejas, porque a destinação da tsedacá deve ser exclusivamente as pessoas carentes, podendo ser feito por meio de projetos sociais com o objetivo de suprir primeiramente o básico como alimento, saúde, roupa, moradia e, uma vez satisfeitas, também favorecer educação, desenvolvimento profissional, cultural, entre outros.

O fato de o provérbio dizer para ajudar “sempre que puder” não deve ser interpretado como desculpa para fazer pouco ou até mesmo para nada fazer em favor dos pobres, pois a bíblia orienta agirmos como bons e fiéis mordomos na administração dos bens materiais que nos foram temporariamente confiados a fim de termos condições de auxiliar aqueles que precisam.

Quando se diz que ajudar os necessitados é responsável “em boa parte” pela prosperidade e riqueza dos judeus, é porque ainda obedecem a diversos outros comandos divinos que abrangem desde educação dos filhos, casamento, estudos, ética profissional, etc.

Observar os princípios divinos garante o favor dos céus, pouco importando a crença ou a religião que se professa. Aliás, esse é o motivo pelo qual existem muitos que se dizem ateus ou não não-praticantes de qualquer religião e que, mesmo assim, são ricamente abençoados em certos aspectos da vida. Ou seja, a lei da colheita e da semeadura vale também para todos, inclusive para os descrentes.

O contrário é igualmente válido. De nada adianta dizer-se crente e não respeitar os princípios divinos. A consequência será uma existência onde tudo que se conquista é fruto apenas do esforço próprio. Porém, quando Deus está presente, tudo que se faz é potencializado. Ilustro que é semelhante a quando andamos pelas esteiras dos grandes aeroportos, em que cada passo rende muito mais, chegando mais rápido e com menos esforço ao destino.

Esse é um ponto relevante da tsedacá. Quando Deus manda que se ajude o pobre, a recompensa prometida é que Ele abençoará o “fruto do trabalho” de nossas mãos. Por isso, é necessário que se faça algo que possa ser abençoado. Portanto, ao mesmo tempo que se empenha em projetos e atividades pessoais e profissionais, deve-se estar constantemente destinando generosa parte da renda para ajudar o próximo, isso atrai semelhante generosidade dos céus.

45 pessoas leram esse artigo
Sobre o autor

Henrique Lima

Sobre o autor

Henrique Lima

Henrique Lima é advogado atuante em defesas de servidores públicos civis e militares, de trabalhadores da iniciativa privada, de profissionais liberais, de associações, sindicatos e empresas em temas envolvendo direito administrativo, tributário, previdenciário (INSS e RPPS), do trabalho e do consumidor.

 

É mestre em direito pela Universidade de Girona – Espanha e pós-graduado (lato sensu) em direito constitucional, direito do trabalho, civil, consumidor e família. É sócio do escritório Lima, Pegolo & Brito Advocacia (www.lpbadvocacia.com.br) que possui unidades em Curitiba-PR, Campo Grande-MS, Cuiabá-MT, Rio Brilhante-MS, Dourados-MS e Aquidauana-MS, mas atende clientes em vários Estados brasileiros.

Saiba mais sobre o autor

Vamos conversar sobre esse assunto?

Preencha o formulário para que eu ou alguém de minha equipe possa entrar em contato com você.

Exames, atestados, apólice, etc. e tudo que você acredita que possa me ajudar entender seu caso

Fale comigo por E-mail ou