06/11/2018

Os Planos de Saúde e o Tratamento das Crianças com Autismo

AUTOR:Henrique Lima - 39 visitas

OS PLANOS DE SAÚDE E O TRATAMENTO DAS CRIANÇAS COM AUTISMO

O aumento da quantidade de crianças diagnosticadas com o Transtorno do Espectro Autista é algo que que preocupa cada vez mais as famílias, não só as brasileiras, mas as de todo o mundo.

O autismo, também chamado de “transtorno do espectro do autismo”, afeta, principalmente, três áreas de grande importância para o desenvolvimento do ser humano: a interação social, a comunicação verbal e não-verbal e o comportamento.

Isso tudo já é suficiente para causar grandes angústias aos pais que recebem esse difícil diagnóstico de seus amados filhos, entretanto, tudo fica ainda mais pesado quando buscam o suporte das operadoras de seus planos de saúde e acabam sendo surpreendidos com os mais variados abusos.

O tratamento desse transtorno (TEA – Transtorno do Espectro Autista) geralmente exige, a depender de solicitação exigida por médico neuropediatra, acompanhamento multidisciplinar com fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional com ênfase em Terapia de Integração Sensorial, psicólogo e a terapia pela intervenção ABA (Applied Behavior Analysis). Também é necessário intenso envolvimento dos pais, com mudança em toda a rotina de uma família e ainda podendo ter elevados custos financeiros.

Além de todos esses sacrifícios, ainda são frequentes os casos em que os pais precisam se submeter a uma verdadeira batalha no Poder Judiciário para obrigar sua respectiva operadora de plano de saúde a custear o tratamento.

São comuns, por exemplo, processos envolvendo o tratamento pela intervenção ABA, que implica numa “Análise do Comportamento Aplicada” e geralmente é realizado em ambiente familiar, por duas ou quatro horas diárias.

As soluções desses casos costumam depender de qual Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul é “sorteada” para decidir a questão. Apesar disso, a boa notícia é que a maioria das decisões é favorável aos consumidores.

Porém, mesmo com esse prognóstico favorável quanto a obtenção de uma decisão judicial que beneficie os que sofrem direta e indiretamente (no caso, os pais) com o autismo, ainda existem outros pontos bastante problemáticos.

Um deles é que geralmente as decisões judiciais fazem a ressalva de o tratamento ser realizado, se possível, na rede credenciada pela operadora ou onde essa possua convênio.

Os problemas relatados pelos pais, nesse aspecto, são vários.

Reclamam da quantidade insuficiente de horários para atender todos pacientes, com grande dificuldade para realizar o agendamento, o que agrava ainda mais os problemas enfrentados pela família.

Angustiam-se, ainda, com a existência de profissionais não credenciados que são mais qualificados e tecnicamente mais preparados, com mais condições de proporcionar um melhor desenvolvimento ao autista, do que os poucos credenciados ou conveniados a operadora do plano de saúde.

Por esses e outros motivos é que vários pais, mesmo sem condições financeiras adequadas, acabam optando por sacrificar o patrimônio da família para pagar o tratamento na rede particular, principalmente para poder escolher por um profissional que, acreditam, tenha maiores condições de proporcionar o melhor tratamento ao ente querido.

Uma importante orientação aos pais que vivenciam esses problemas é a de que, ao se deparem, por exemplo,  com o problema da falta de “agenda” do profissional, procurem fazer prova desse fato através de mensagens de WhatsApp ou de e-mails, pois isso pode ser levado em consideração pela justiça para garantir o reembolso dos valores eventualmente pagos pela família ou para determinar que a operadora pague diretamente a clínica.

Quanto a diferença no currículo entre os profissionais conveniados pela operadora do plano de saúde e aquele que é a preferência da família, não por mero capricho, mas baseada em critérios objetivos, importante que os pais busquem demonstrar que determinada capacitação que o profissional escolhido tem é necessária ou, pelo menos, que contribuirá para um melhor resultado no tratamento e, consequentemente, no desenvolvimento da criança.

Enfim, espero ter contribuído com informações que possam ser úteis aos pais, pois além de toda angústia que traz consigo esse diagnóstico, ainda convivem com esses transtornos causados quando determinadas operadoras de planos de saúde estão mais preocupadas com a redução de seus custos (e consequente aumento de seus lucros) do que com a afetiva prestação de um serviço que possibilite a criança com o Transtorno do Espectro Autista se desenvolver e conseguir, na máxima medida possível, ter uma vida independente e normal.

HENRIQUE LIMA. Advogado (www.henriquelima.com.br). Mestre em direito pela Universidade de Girona – Espanha e pós-graduado em Direito Constitucional, Civil, do Consumidor, do Trabalho e de Família. Autor de livros e artigos jurídicos.

 
REDES SOCIAIS

COMENTÁRIOS

Todos os campos são obrigatórios

MAIS ARTIGOS

Cuidado com o Estelionato Eleitoral

CUIDADO COM O ESTELIONATO ELEITORAL É quase sempre a mesma coisa, chega o período de campanha eleitoral e somos assediados por candidatos que, nessa época, estão mais para “vice querubins” do que para “políticos”... Na mídia, aparecem tantos absurdos,...

10/09/2018 LEIA MAIS

O IPTU dos Terrenos em Condomínios Fechados

O IPTU DOS TERRENOS EM CONDOMÍNIOS FECHADOS Apesar de a mídia já ter abordado a questão do IPTU de terrenos em condomínios fechados em Campo Grande e de vários proprietários já terem ingressado com ação judicial buscando a...

03/07/2018 LEIA MAIS

Os Planos de Saúde e a Recusa em Cobrir Tratamentos

OS PLANOS DE SAÚDE E A RECUSA EM COBRIR TRATAMENTOS Quanto mais as pessoas percebem a enorme deficiência do atendimento do SUS – Sistema Único de Saúde, mais aumenta a procura por um plano de saúde particular, na esperança de...

08/06/2018 LEIA MAIS

Isenção de Imposto de Renda para Professores Aposentados Portadores de Determinadas Doenças

ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PARA PROFESSORES APOSENTADOS PORTADORES DE DETERMINADAS DOENÇAS Se existisse um índice que apurasse a discrepância entre a importância social de uma profissão e sua...

30/04/2018 LEIA MAIS

FALE COMIGO

Site desenvolvido por:

Chamar no WhatsApp