Aposentadoria dos Servidores Públicos

Os servidores públicos possuem diversas peculiariedades em suas aposentadorias.

Há várias situações a serem observadas: tempo de contribuição, data de ingresso no serviço público, tempo de serviço público, tempo na carreira, tempo no cargo etc.

Deve-se ficar atento para situações em que é possível conseguir a INTEGRALIDADE (ÚLTIMA REMUNERAÇÃO) e a PARIDADE.

Muitas vezes são criados óbices injustificados para averbar a CTC expedida pelo INSS, causando prejuízos ao servidor.

Se você estiver com dificuldades para aposentar, conte com meus serviços.

Faça o seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
GERALDO PAZZINI DE SOUZA
tenho 61 anos descobrir ser portador de patologia grave ( CA ) medico com 2 matriculas federais de 10/09/1982 e 13/09/1984 sendo que parte como CLT até inicio do RJU , posso usar o acréscimo de 40% do tempo de insalubridade no somatório do tempo para integralidade de tempo de serviço para efeito de aponsentadoria ou pela patologia grave não há diferença? sendo que nunca usei minhas licenças a premio
12/05/2018
Henrique
Olá Dr. Geraldo Pazzini,
Obrigado pelo contato, espero ajudá-lo.
O senhor tem direito de usar o período anterior ao RJU para ser convertido de especial em comum, com acréscimo de 40%, para fins de aposentadoria voluntária, com integralidade e paridade, em cada matrícula.
Alguns setores da Administração Pública costumam negar esse pedido de conversão e averbação. Se o senho tiver dificuldades com isso e precisar de advogado, podemos te ajudar.
As licenças prêmios não gozadas também podem ser computadas em dobro ou, caso não precise delas, pode recebê-las em dinheiro após a aposentadoria.
Abraço.
Henrique Lima.
05/06/2018
FRANCISCO BESERRA CAVALCANTE
Bom dia. Gostaria de alguns esclarecimentos sobre o tema eu hoje sou servidor publico do Df na secretaria de saude com cargo de enfermeiro e por tanto faço jus ao adicional de insalubridade, porem antes fui funcionario em varios hospitais privados e ao solicitar ao INSS minha CTC afim de averbação percebi que nao veio acrescida de tempo especial. O inss alegou que eu deveria ter os PPPs . De maos desses laudos solicitei ao inss a contagem so que eles nao quiseram fazer alegando que esse acrescimo tem que ser reconhecido pelo orgao empregador o GDF porem entrei com processo administrativo junto ao orgao e eles tambem alegam que isso deveria ser fieot pelo INSS pergunto que fazer visto que ficam jogando um para outro. Isso ocerreu há mais de 2 anos no INSS. hose tem alguma alteção na lei? Como proceder para ter meu direito . Hoje tenho 52 anos , 23 de serviço publico e 15 como celetista.
09/05/2018
Henrique
Olá Sr. Francisco. 
Espero poder ajudá-lo.
O problema que o senhor está enfrentando é um pouco comum, infelizmente, pois os órgãos da Administração Pública costumam criar empecilhos para reconhecer direitos.
O correto é o INSS emitir a CTC já com o adicional averbado no tempo, mas mesmo que tivessem feito isso, ainda assim correria o risco de chegar no seu respectivo setor e lá inventarem alguma desculpa para não averbar.
Sugiro o senhor ingressar com ação judicial incluindo os dois entes no pólo passivo, pois ambos estão errando.
Abraço,
Henrique Lima.
09/05/2018
Lourinete Vieira de Morais
Boa noite, Sou funcionaria publica desde 1997 ,me efetivei em 2006, ocorre que havia trabalhado em regime CLT desde de 1982, me dirigi ao INSS, solicitando minha certidão averbando ao Estado. Entrei com pedido de abono permanência,pois tenho 54 , em junho farei 55 para entrar com minha aposentadoria com mais de 36 anos de contribuição. Retornou alegando que não faço jus ao abono permanência, você poderia me ajudar? fico no aguardo.
07/05/2018
Henrique
Olá Lourinete, obrigado pelo contato.
Para ter direito ao abono de permanência você precisa ter preenchido os requisitos para aposentadoria voluntária.
Pela sua descrição, você precisaria completar os 55 anos de idade.
Para aposentar com menos de 55 anos de idade, existem outros requisitos, como, por exemplo, 25 de serviço público e 15 anos na carreira.
Vou pedir para Dra. Rosemar entrar em contato com a senhora para termos mais detalhes.
Abraço,
Henrique Lima.
09/05/2018
Eriberto Kotelak
Olá. Recebi por whatzaap um video explicativo seu sobre direitos a isenção de IR para aposentados e pensionistas, no qual o Sr. cita direitos a isenção também para os Policiais reformados. Percebi que não consta na elação de doenças, mas lhe indago se, quem tem Hérnia Discal (03), poderia obter esta isenção também? Onde encontrar amparo na lei? Sou Policial Militar na Reserva Remunerada da PMPR. Pedi minha reserva por tempo de serviço, contudo, tive vários afastamentos de trabalho por causa das hérnias. Agradeceria muito se pudesse me orientar melhor.
19/04/2018
Henrique
Olá Eriberto.
Obrigado pelo contato, espero poder ajudá-lo.
Sobre a hérnia de disco possibilitar a isenção do imposto de renda, digo que é possível.
Teríamos que tentar enquadrar sua enfermidade em duas situações: moléstia profissional (alegando que seu trabalho na polícia causou ou agravou seu problema) ou que a hérnia causa uma paralisia irreversível e incapacitante.
Em qualquer hipótese, uma perícia juidicial é necessária.
Vou enviar mensagem por whatsapp para vermos melhor seu caso.
Mas olhe uma decisão parecida com seu caso (não é igual pois você não mencionou reforma, mas é semelhante):
 
ADMINISTRATIVO. MILITAR DA RESERVA REMUNERADA. MOLÉSTIA ACOMETIDA EM SERVIÇO. PERÍCIA. INCAPACIDADE DEFINITIVA SOMENTE PARA ATIVIDADE MILITAR. HÉRNIA DISCAL. REFORMA. POSSIBILIDADE. SOLDO DO MESMO GRAU HIERÁRQUICO DA ATIVA. IMPOSTO DE RENDA. ISENÇÃO. Em razão da incapacidade definitiva para o exercício da atividade castrense, manifestada após sua integração às fileiras do Exército, decorrente de moléstia acometida em serviço, conforme constatado através de perícia médica, o autor possui direito à reforma, nos termos do art. 108, IV, da Lei 6.880/80. Considerando-se à existência um prognóstico laboral positivo, ao menos na vida civil, devido o soldo do mesmo posto ocupado na ativa. O marco inicial deve se assentar na data da comprovação da incapacidade através da perícia médica. Sendo reformado, é devida a isenção do imposto de renda nos termos do art. 6º, da Lei 7.713/88, a contar deste ato, observada a prescrição quinquenal.
(TRF-4 - APELREEX: 50006055720114047102 RS 5000605-57.2011.404.7102, Relator: Relatora, Data de Julgamento: 16/03/2016, TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: D.E. 18/03/2016)

Espero ter colaborado.
Abraço.
20/04/2018
Crislaine Prestes
Ola Dr. Sou advogada recém formada e estou lidando com a aposentadoria do meu pai. Ele é servidor píblico estatutário da prefeitura da cidade, mas antes de ingressar no serviço público, trabalhou em alguns lugares, e eum deles é na caldeira, onde exercia atividade considerada insalubre, inclusive, tenho o PPP da empresa. Esse período trabalhado foi de 1985 á 1990. Agora, se eu conseguir fazer com que o INSS averbe esse periodo como sendo especial, ele consegue se aposentar nesse momento. Como o senhor vê essa possibilidade? Qual o primeiro passo?
29/01/2018
Jhenny Andrade
Olá Dra. Crislaine, obrigada pelo contato.
Espero poder ajudá-la.
Neste caso, ao solicitar a CTC no INSS, exija que eles façam a conversão do período especial em comum, para que conste na certidão o tempo total, já com o acréscimo de 40%. Depois disso é só averbar a CTC no RPPS.
Se o INSS não fazer a conversão, o RPPS provavelmente não considerará esse período como especial, diante da vedação constitucional da não contagem de tempo fictício. Assim, será viável ingressar com ação judicial.
Abraço.
01/02/2018
João Matias Medeiros
Olá, sou servidor público, Universidade Federal do Paraná, solicitei contagem de tempo para aposentadoria em processo administrativo no qual foi computado 10 anos de serviço em atividade especial, em 2017, foi negada averbação do tempo de serviço convertido prestado, assim, gostaria de orientação: se aguardo resultado do julgamento do RE 1.014.286, ou abro processo.
27/01/2018
Rosemar
Olá Sr. João Matias, obrigada pelo contato.
Espero poder ajudá-lo.
Primeiramente precisa avaliar se esse tempo em atividade insalubre foi vinculado ao RGPS ou ao RPPS.
Se foi ao RGPS (INSS) há várias decisões favoráveis e creio que vale a pena já ingressar com processo.
Mas se foi no RPPS, é viável aguardarmos a decisão do RE, tendo em vista que os processos ficarão sobrestados até a decisão da repercussão geral.
Qualquer dúvida estamos à disposição.
Abraço.
 
29/01/2018
Jéssica Micaela da Silva
Boa tarde. Sou funcionária pública do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo há quatro anos. Já verifiquei que no meu caso, quando da aposentadoria, terei direito apenas ao teto da previdência social. Contudo, tenho notado que as contribuições previdenciárias descontadas (11%) tem incidido sobre o valor total dos meus proventos, com desconto apenas dos valores indenizatórios. O problema é que tal valor ultrapassa o valor do teto da previdência social. Minha dúvida é: se o meu direito é apenas sobre o teto da previdência, porque a minha contribuição sido fixada acima do teto?
22/01/2018
Jhenny Andrade
Olá Sra. Jéssica. Obrigada pelo contato.
Espero poder ajudá-la.
Neste caso, a senhora pode solicitar ao setor de pagamentos do tribunal de justiça que corrija o valor que está sendo descontado a título de contribuição e limite ao teto da previdência social, bem como poderá requerer junto à Receita Federal a restituição dos valores já pagos acima do teto do INSS. Se porventura a receita negar a restituição, poderá ingressar com ação judicial.
Abraço.
 
22/01/2018
ELIZETE BARICHELLO BALDO
Bom dia. Preciso tirar uma dúvida. Sou efetiva, há 16 anos no mesmo cargo público. Tenho outros periodos de contribuição sempre em cargo público. Já conto no total com mai de 34 anos de contribuição (incluindo periodo rural). Posso pedir complementação de aposentadoria, pois serei prejudicada pelo fator previdenciario, mesmo que na data de aposentadoria eu tenha 46 anos de idade? Obrigada. Aguardo.
20/12/2017
Henrique
Olá Sra. Elizete,
Para poder ajudá-la preciso de mais informações.
O complemento de aposentadoria é referente ao fato de o município não possuir RPPS? Ou se trata do abono de permanência?
Se puder manter contato pelo whatsapp 67 99234-0066, prefiro.
Obrigado.
 
10/01/2018

Artigos

Isenção de Imposto de Renda para Professores Aposentados Portadores de Determinadas Doenças ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PARA PROFESSORES APOSENTADOS PORTADORES DE DETERMINADAS DOENÇAS Se existisse um índice que apurasse a discrepância entre a importância social de uma profissão e sua... 30/04/2018 LEIA MAIS
Isenção de Imposto de Renda: Problemas na Coluna, Depressão e LER/DORT ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: PROBLEMAS NA COLUNA, DEPRESSÃO E LER/DORT Apesar de a Lei 7.713/88 trazer uma relação das doenças que possibilitam a isenção do Imposto de Renda, percebo que na prática os contribuintes encontram... 20/04/2018 LEIA MAIS
Isenção de Imposto de Renda: Doença Grave? Moléstia Profissional?? Facilitando: Tendinite, Bursite, Síndrome do Túnel do Carpo, Tenossinovite, Depressão Decorrente do Trabalho, Síndrome do Pânico... ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: DOENÇA GRAVE? MOLÉSTIA PROFISSIONAL?? FACILITANDO: TENDINITE, BURSITE, SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO, TENOSSINOVITE, DEPRESSÃO DECORRENTE DO TRABALHO, SÍNDROME DO PÂNICO... Muitas pessoas sabem que existe o... 18/04/2018 LEIA MAIS
Aposentei pelo INSS e fui "exonerado" do cargo público, isso está certo? APOSENTEI PELO INSS E FUI “EXONERADO” DO CARGO PÚBLICO, ISSO ESTÁ CERTO? Não, não está. Mas ocorre com muita frequência. Importante começar pontuando que a Constituição Federal veda o recebimento simultâneo de... 04/12/2017 LEIA MAIS

TIRE SUAS DÚVIDAS

FILTRO

CATEGORIAS

VOLTAR

FALE COMIGO

Site desenvolvido por:

Chamar no WhatsApp